Ilhabela vive tensão administrativa: para que lado o vento sopra?

0
112
Atual Prefeito de Ilhabela

Ao contrário do que foi ventilado nas redes sociais nesta segunda-feira, a Câmara Municipal de Ilhabela não deverá afastar, nem tão pouco cassar o prefeito Márcio Tenório na sessão de hoje (19/2). Caso seja aprovado o pedido, o processo ainda poderá se arrastar por meses

De acordo com o presidente da Câmara, vereador Marquinhos Guti, a legislação será seguida a risca. “Eu garanto que hoje nós não vamos afastar nem cassar ninguém. Nós temos conhecimento do pedido feito pelo morador, mas o que nós vamos votar é se a denúncia será aceita ou não. Caso a maioria dos vereadores ache necessário investigar, nós instalaremos uma Comissão Processante e vamos apurar, ver a documentação, e principalmente dar o direito de defesa ao prefeito […] porque nem a Justiça faz as coisas a toque de caixa, nós precisamos ter responsabilidade com a cidade, não estamos aqui para promover espetáculo pra ninguém”, afirmou Marquinhos Guti.

Já o prefeito Márcio Tenório rechaçou o “denuncismo”, afirmando que essa é mais uma ação política promovida por oportunistas. De acordo com o prefeito, a denúncia feita pelo advogado Pedro Prudêncio é fraudulenta, com o objetivo de induzir os vereadores a erro, visto que omite informações importantes, principalmente a de que os recursos não foram utilizados e já haviam sido devolvidos aos cofres públicos. “Não houve dano ao erário. Portanto, trata-se de um fato político!”.

De acordo com Tenório, a Comissão de Fiscalização Financeira e Controle (CFFC) da Câmara já havia questionado a prefeitura e solicitado a documentação referente ao contrato do “Paço do Samba”. “Nós disponibilizamos ao legislativo toda a documentação que comprova os atos administrativos desse processo, dias antes desse pedido ser protocolado na Casa de Leis”, afirmou o prefeito.

Na última semana, a Câmara oficiou o responsável pela empresa Five Eventos, sediada na cidade de São Paulo, com objetivo de esclarecer o caso. A empresa iria realizar o evento “Paço do Samba” nos dias 26 e 27 de janeiro, por meio de cota patrocínio. Entretanto, o evento acabou não acontecendo, o que levou a empresa a estornar o repasse feito pela prefeitura na ultima semana, devolvendo os recursos ao cofres públicos.

Para que o pedido feito pelo advogado seja aceito, será necessária maioria absoluta dos votos, ou seja dois terços dos vereadores precisam votar favorável para que seja aberto uma Comissão Processante.
De acordo com o vereador Valdir Veríssimo, caso o pedido seja aprovado, a Câmara instalará a comissão, que terá um prazo de 90 dias para ouvir todas as partes, reunir a documentação e avaliar a responsabilidade de cada um.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui